ÁGUIA DOURADA

ÁGUIA  DOURADA

Todas as matérias podem ser veiculadas, desde que citada a fonte.

terça-feira, 28 de maio de 2013

OS QUATRO COMPROMISSOS - inspirado em Don Miguel Ruiz


1 - SEJA IMPECÁVEL COM SUA PALAVRA
É o compromisso mais importante. É através da palavra que expressamos nosso poder criativo, seja através da fala ou do pensamento. Nosso mais poderoso instrumento, que tanto pode ser usado para nos libertar como para nos escravizar.
O primeiro passo é ter consciência do poder da palavra e então, torná-la impecável. Impecável significa "sem pecado". "Pecado" significa ir contra a nossa essência. Nossa natureza mais íntima. Nossa Verdade.
Se formos, cada vez mais, nos tornando impecáveis com nossa palavra, poderemos re-criar nossa vida na direção do bem, do amor, da harmonia. Realizando exatamente o que dizemos.
Alinhando palavra e ação, sem mentiras que muitas vezes só nos reconhecemos, podemos nos libertar de todo tipo de conflito.
Este é um compromisso difícil de assumir, pois vai contra a "programação" que nos foi ensinada. 
Por isso é fundamental que se esteja consciente do poder da palavra, pois foi o uso inadequado deste poder que criou tanto conflito e trauma em nossa vida.
Assumindo o compromisso de sermos impecáveis com nossa palavra, é preciso observar o que pensamos e o que dizemos. Observar nosso diálogo interior, evitando toda crítica, julgamento e culpa. Substituir tudo isso por intenções de apoio, afeto, confiança, aceitação. Aos poucos vamos realizando esse processo na forma como lidamos com os outros, como falamos com eles, como pensamos sobre eles.
Ser impecável com nossa palavra é usá-la para cultivar a semente do amor que existe em nós. É só em terreno fértil que esse amor pode crescer e frutificar.

2 - NÃO LEVE AS COISAS PARA O LADO PESSOAL
Se você leva as coisas para o lado pessoal é porque, em algum nível, concorda com o que está sendo dito.
Costumamos levar as coisas para o lado pessoal devido a uma coisa chamada "importância pessoal". Achamos que tudo o que acontece a nossa volta tem a ver conosco, por sermos o "centro" dos acontecimentos. 
No entanto, as atitudes alheias tem mais a ver com a forma como vêem o mundo, baseando-se em compromissos que assumiram consigo mesmos.
Quando nos sentimos ofendidos ou magoados por alguém, nossa reação é rebater como que defendendo uma "verdade". Mas são apenas nossas perspectivas. Os outros nada tem a ver com isso, pois suas perspectivas são outras.
Daí tantos conflitos e tanto caos criado em nossas vidas. 
Não levar para o lado pessoal é viver num tal estado de paz e amor que tudo ao redor acaba sendo visto por esse prisma. Se vejo tudo através desse ângulo, posso me libertar das críticas e até dos elogios, mantendo sadia neutralidade.
O contrário do amor é o medo e consequente insegurança. Quanto mais medo abrigarmos em nós, mais levaremos as coisas para o lado pessoal.

3 - NÃO TIRE CONCLUSÕES
Temos a tendência de tirar conclusões sobre tudo e presumir "verdades".
Buscamos conclusões para termos "certezas" que nos dão aparente segurança.
Tiramos conclusões até sobre nós mesmos, criando autojulgamentos.
Não tirar conclusões significa viver a vida como ela é, dinâmica, viva, aberta e eternamente em movimento. Parando de presumir verdades, podemos viver simplesmente para acolher transformações.
É sempre preferível perguntar abertamente, ao invés de achar que detemos a realidade dos fatos.

4 - DÊ SEMPRE O MELHOR DE SI
Este compromisso refere-se a ação dos três compromissos anteriores.
É importante sempre dar o nosso melhor, lembrando que esse melhor nunca será o mesmo, pois tudo se encontra em constante mutação. Sendo a vida dinâmica, aberta, em constante movimento, não é sensato buscar aquele melhor idealizado nos filmes nos quais nos fizeram acreditar.
Dar o melhor de si significa não se empenhar exageradamente - mas tampouco "fazer corpo mole". Dar simplesmente nosso melhor a cada momento. Nem mais, nem menos.
Fazer o melhor acaba sendo uma ação prazerosa,  ao invés de trazer ansiedade na espera dos resultados.
Dar o melhor é ser feliz no agora, sem pressão, ansiedade ou culpa. 

(Quem quiser se aprofundar no assunto, procurar a obra de Don Ruiz publicada pela Editora Cultrix)

segunda-feira, 6 de maio de 2013

UMA NOVA CONSCIÊNCIA É POSSÍVEL

Inseridos no paradigma da Nova Consciência, não pleiteamos revolucionar ou esperamos que ocorra um abalo nas estruturas da sociedade, forçando uma mentalidade para a qual a maioria não está preparada. No entanto, estaremos alinhados com todo aquele que estiver pronto para “encarnar” essa nova Visão. Uma visão que gera cada vez mais sincronicidades e interessantes oportunidades de crescimento espiritual.
Atualmente, a Física enuncia muitas teorias em conformidade com os conceitos do Budismo, do Hinduísmo, do Tao, de Ifá. Um Universo onde o campo quântico de energia abrange a matéria e a forma, numa teia de energias interligadas.
Esse campo quântico faz com que passemos, dentro da Espiritualidade, a desconsiderar a matéria densa da dimensão tridimensional, cientes de que os espaços interatômicos são plenos da energia que faz com que possamos interagir e nos influenciar mùtuamente.



Conforme mencionado no artigo anterior, se somos parte de um Universo inteligente que nos responde e no qual a energia de outras pessoas nos influencia, é vital que cuidemos do ambiente onde nos inserimos, observemos cuidadosamente as pessoas com as quais interagimos e principalmente o tipo de sentimento / emoção que difundimos – pois tudo acaba, invariàvelmente, reverberando na nossa direção.



O grande desafio de se viver a Nova Consciência é aplicar na prática cotidiana o conceito de que concedemos “poder” a tudo ou todos aqueles aos quais dirigimos nossa atenção. Cientes de que estaremos concedendo poder a alguém ou a alguma situação perante aos quais nos sentimos ofendidos. Sempre que nos sentimos ameaçados por alguém, estamos permitindo que nossa energia seja sugada. Entramos em sintonia, positiva ou negativa, de acordo com as emoções que direcionamos aos outros. Cabe salientar a inutilidade e principalmente efeito nocivo de nos deixarmos levar por sentimentos ou emoções que não sejam condizentes com a nossa missão de vida, o nosso propósito evolutivo na atual reencarnação na Terra. Essa sintonia nos coloca na mesma gama vibratória de tudo aquilo que queremos evitar e conduz a um retrocesso nos nossos melhores propósitos.



Nesse contexto, a importância da nossa sagrada Planta de Poder, a Ayahuasca, no trabalho de conscientização e autoconhecimento que realizamos no Céu da Águia Dourada, é primordial.
Para nós, a Ayahuasca é um aliado, um possante instrumento facilitador para que identifiquemos todos os entraves, dissimulações, conflitos e atritos.que venham dificultar ou desviar o foco do nosso propósito primordial, que é o trabalho do Eu.

Existem, òbviamente, muitos outros recursos, mas independente do meio utilizado, a Nova Consciência demanda responsabilidade total pelo nosso êxito ou pelo nosso fracasso. Por isso, não faz parte da mentalidade desta nova Visão, barganhar ou pedir aos Seres Divinos que realizem – à título de “caridade” – tarefas que nos cabem, decorrentes de ações por nós provocadas. Tampouco que superem por nós os desafios que exigem o nosso próprio esforço e resultarão em valioso aprendizado.



Esforço e sacrifício são as tônicas da evolução em todos os âmbitos. Não basta simpatizar com a Era de Aquário, canalizar belas mensagens, acreditar que está viajando em dimensões paralelas num mundo iluminado e harmônico, usufruindo da companhia de Arcanjos e Mestres Ascensionados.
Pior ainda, se achar “bom demais” para estar aqui nesse plano, que estaria aqui “por engano”, ou que se encontra na missão especial de “guiar” os outros, impondo como verdade absoluta o seu modo de ver e viver. A Liberdade é a regra de ouro do Novo Tempo e cada um evolui segundo seu ritmo próprio, percorrendo o seu roteiro individual. Conversões forçadas e “salvações” já legaram um rastro de sangue e dor nos últimos milênios da nossa História.

Quem quiser se inserir no Novo Tempo da Consciência que transcende a estreiteza tridimensional dessa Era de inconsciência e separação, coloca-se diante da tarefa cotidiana de procurar se sintonizar apenas com as energias de sentimentos positivos, afastando todo pensamento que possa nos conectar com aquilo que pretendemos “deixar para trás”.
Não há como deixar de trabalhar esse aspecto de controle e vigilância mentais. Seria uma ilusão perigosa, pensar que se pode saltar etapas e acessar as mais altas esferas vibratórias, quando abrigamos ainda tantas mazelas psíquicas e resta tanto trabalho interno a ser realizado no plano tridimensional em que nos encontramos, todos nós encarnados em matéria densa.
Só fazendo resplandecer a própria Luz nos recônditos mais sombrios do nosso Ser, podemos empreender a viagem rumo ao Eterno Infinito Cósmico.