ELIANE HAAS

ELIANE HAAS

Todas as matérias podem ser veiculadas, desde que citada a fonte.

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

IFISMO - Os Ensinamentos de Orunmilà (parte 2)

Pelo fato de Ifá e o dele decorrente culto aos Orixás não possuir códigos de conduta do tipo "Dez Mandamentos" formou-se a idéia errônea de que se trata de uma prática amoral de comportamento, que desconhece os conceitos do bem e do mal. No entanto, vários Odus - caminhos de aconselhamento de Orunmilà - atestam a importância do bom caráter - denominado Iwà Pèlé - que, invariavelmente, se reflete na conduta dos seres humanos.



Ifà exalta a necessidade do controle das emoções onde a paciência, a dignidade, a honestidade, o respeito, devem superar a mentira, o orgulho, a prepotência, a arrogância e a ganância. Não sob ameaça de castigo, mas como consequência da Lei Universal de ação / reação.
O compromisso de se construir um bom caráter é o maior desafio a que somos permanentemente submetidos perante os conflitos e tensões na nossa existência na Terra.
Para Ifà a verdadeira felicidade decorre de se ter Ìwà Pèlé, pois evita confrontos nocivos com os outros seres humanos, resultando num poderoso escudo de proteção, também nas esferas não terrenas. Então podemos dizer que o objetivo principal dos ensinamentos de Ifà é o cultivo do Bom Caráter - o Iwà Pélè. 
Esta seria a essência da espiritualidade. Tem a ver com coração e não com reputação, pois esta é conferida pela sociedade, é transitória e não habilita ao mérito da eternidade.

O sincretismo religioso criou, reproduzindo o exemplo do Deus judaico-cristão, a falsa idéias de um Orixá que "castiga".
No entanto, reconhecendo o Ori (mente humana) como soberano no seu livre-arbítrio, Ifà aponta todo sofrimento como fruto do desequilíbrio nas atitudes. Eventos favoráveis ou nefastos são a manifestação de energias geradas pelo caráter, ou seja, resposta ao Ori : àquilo que verdadeiramente somos na intimidade e que, por vezes, podemos até mascarar diante de outros ou nós próprios, mas é plenamente conhecida da nossa centelha Divina e do Divino Orixá que nos impulsionou à Vida.
Apesar das regras e sanções religiosas, nossa civilização prioriza cada vez mais os bens materiais, em detrimento de valores reais e eternos, não hesitando em desrespeitar o direito alheio e até da Natureza, na sede de obter "coisas" que não fazem parte da nossa bagagem eterna. Coisas que integram o transitório mundo tridimensional do "ter" e nos desconectam de "ser" o nosso Eu Superior na sua plenitude.


Ifà assinala que o cultivo do bom caráter é saber exercê-lo. Chama atenção do poder ilusório que serve aos interesses pessoais, na crença arrogante de se possuir salvo-conduto para algum privilégio especial. O Odu Ogbe Iwori chega a advertir que honrar demasiadamente o dinheiro, impede ou leva a perda do bom caráter. A fortuna material deveria ser sempre um meio e não um fim.

Quando cultivamos e exercemos Iwà Pèlé atuando com integridade, na verdade estamos armazenando e difundindo boa energia (Asè/Axé) para cumprir da melhor forma o destino que escolhemos mediante desígnio cármico, conquistando um lugar no Universo de Olòdúmarè (Deus Supremo, Fonte da Criação Universal) e sempre agradecendo ao nosso Ori - pois unicamente a ele devemos todas as nossas escolhas.